A pesquisa histórica

análise de redes sociais e imprensa operária

  • Luciano Everton Costa Teles Universidade do Estado do Amazonas - UEA
Palavras-chave: Análise de Redes Sociais, Pesquisa Histórica, Imprensa Operária

Resumo

O artigo em tela tem como propósito assinalar o uso da análise de redes sociais, como método, para a construção do conhecimento histórico. Nesse sentido, buscou-se evidenciar a incorporação da análise de redes na pesquisa histórica, apontando o caminho para se constituir redes através da imprensa operária e especificando os limites e possibilidades de tal proposta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACIOLI, Sônia. Redes sociais e teoria social: revendo os fundamentos do conceito. Inf. Inf. Londrina, vol. 12, 2007.

ARAÚJO, Silvia Maria Pereira de; CARDOSO, Alcina Maria de Lara. Ideologia e imprensa operária: o contra-discurso pequeno-burguês. ANPOCS, out./1986, p. 1-22.

ARAVANIS, Evangelia. Apresentando um banco de dados: imprensa anarquista, homens e mulheres na cidade de Porto Alegre (1908-1930). Textura. Canoas, n. 1, 2º semestre de 1999, p. 29-36.

BARNES, J. A. Class and Committees in a Norwegian Island Parish. In: LEINHARDT, Samuel (org.). Social Networks. A Developing Paradigm. New York: Academic Press, 1977.

BAHIA, Juarez. Jornal, História e Técnica: história da imprensa brasileira. 4ª ed. São Paulo: Ática, 1990.

BARBOSA, Carlos Marialva. Uma história dos sistemas de comunicação: balanço de um percurso teórico. Conexão – Comunicação e Cultura. UCS, Caxias do Sul, vol. 9, n. 17, jan.-jun./2010, p. 11-29.

BERTRAND, Michel. De la família a la red de sociabilidade. Páginas – revista digital de la escuela de historia. Ano 4, n. 6, Rosário, 2012.

BILHÃO, Isabel Aparecida. Representações do movimento operário na imprensa. Resumo. Anais do IV Encontro Estadual da ANPUH/RS. São Leopoldo, 5 a 9 de outubro de 1998, p. 28.

BOISSEVAIN, Jeremy. Network Analysis: a reappraisal. In: Current Anthropology. The University of Chicago Press. v. 20, n. 2, Jun, 1979.

BOTT, Elizabeth. Família e rede social. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1976.

BUITONI, Dulcília. Mulher de papel: representações de mulheres pela imprensa feminina brasileira. São Paulo: Loyola, 1981.

CARDOSO, Alcina Maria de Lara, ARAÚJO, Silvia Maria Pereira de. Jornais Operários: metodologia para análise histórica do discurso operário na Primeira República. História: questões e debates. Curitiba, vol. 4, n. 6, jun./1983.

CAPELATO, Maria Helena Rolim. Imprensa e História do Brasil. 2 ed. São Paulo: Contexto/Edusp, 1988.

CAPELATO, Maria Helena Rolim. Multidões em cena: propaganda política no varguismo e no peronismo. Campinas: Papirus, 1998.

CAPELATO, Maria Helena Rolim, PRADO, Maria Lígia. O bravo matutino. Imprensa e ideologia no jornal O Estado de São Paulo. São Paulo: Alfa e Ômega, 1980.

CASTRO GOMES, Ângela de. A Invenção do Trabalhismo. São Paulo: Vértice, 1988

COMISSOLI, Adriano, COSTA, Miguel Ângelo Silva da. Estrelas de primeira grandeza: reflexões sobre o uso de redes sociais na investigação histórica. MÉTIS: história e cultura, vol. 13, n. 25, jan./jun. 2014.

CONTIER, Arnaldo. Imprensa e Ideologia em São Paulo, 1822-1842: matizes do vocabulário político e social. Petrópolis/Campinas: Vozes/Unicamp, 1979.

COSTA, Francisca Deusa Sena da. Manaus e a imprensa operária: o discurso do trabalhador também exclui. Amazônia em Cadernos, n.2/3. Manaus: UFAM/Museu Amazônico, 1993/94.

CHALHOUB, Sidney.Trabalho, Lar e Botequim: o cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da Belle Époque. São Paulo: Cia das Letras, 1991.

CRUZ, Heloisa de Faria. São Paulo em papel e tinta: periodismo e vida urbana (1890-1915). São Paulo: EDUC, 2000.

DECCA, Maria Auxiliadora Guzzo. A Vida Fora das Fábricas: cotidiano operário em São Paulo, 1920-1934. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

FAUSTO, Boris. Trabalho urbano e conflito social. (1890-1920). São Paulo: Difel, 1976.

FERREIRA, Maria Nazareth. Imprensa Operária no Brasil. São Paulo: Ática, 1988.

FERREIRA, Lygia Portenha Borges. A memória do PCB em Goiás: a experiência do jornal A Luta e a formação da cultura comunista em Goiás (1937-1945). Dissertação Mestrado em História. Goiânia: Universidade Federal de Goiás , 2001.

GARCIA, Evaldo da Silva. A imprensa operária e socialista brasileira do século XIX. Estudos Históricos, n. 19, 1964.

GIL, Tiago Luís. Infiéis Transgressores: elites e contrabandistas nas fronteiras do Rio Grande e do Rio Pardo (1760-1810). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2007, p. 151-152.

GONÇALVES, Adelaide (Org). Ceará Socialista – Anno 1919. Florianópolis: Insular, 2001.

HARDMAN, Francisco Foot. Nem Pátria, Nem Patrão! Vida operária e cultura anarquista no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1983.

HOBSBAWM, Eric. Mundos do Trabalho: novos estudos sobre História Operária. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

IMÍZCOZ, José Maria. Actores, redes, procesos: reflexiones para una historia más global. Revista da Facultade de Letras- História, III Série, volume 5, Porto, 2004.

JARDIM, Jorge Luiz Pastorisa. Comunicação e militância: a imprensa operária no Rio Grande do Sul (1892-1923). Dissertação (Mestrado em História), Pontifica Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 1990.

LOUREIRO, Antônio José Souto. “Gazeta do Purus”: scena de uma época (Senna Madureira, 1918-1924). Manaus: Imprensa Oficial, 1981.

LUCA, Tânia Regina de. História dos, nos e por meio dos periódicos. In: PINSKY, Carla Bassanezi (org.). Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2005.

MACIEL, Osvaldo Batista Acioly. Filhos do trabalho, apóstolos do socialismo: os tipógrafos e a construção de uma identidade de classe em Maceió (1895-1905). Dissertação (Mestrado em História). Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2004.

MARTINS, Ana Luiza, LUCA, Tânia Regina de. História da Imprensa no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 2012.

MESQUITA, Antônio Pedro. O Pensamento Libertário e Anarquista. In: O pensamento político português no século XX. Uma Síntese Histórico-Crítica. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2006.

MICELI, Paulo. Poder, sexo e letras na República Velha, em intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MIGUÉZ, Eduardo. Microhistoria, redes sociales e historia de las migraciones: ideas sugestiva e fuentes parcas. In: BJERG, María & OTERO, Hernán. Inmigración y redes sociales en la Argentina moderna. Tandil: CEMLA –IEHS, 1995.

MOUTOUKIAS, Zacarías. “Narración y analisis en la observación de vínculos y dinámicas sociales: el concepto de red personal en la historia social y económica. In: BJERG, María & OTERO, Hernán. Inmigración y redes sociales en la Argentina moderna. Tandil: CEMLA –IEHS, 1995.

PEDRO, Joana Maria. Mulheres honestas e mulheres faladas: uma questão de classe. 2º ed. Florianópolis: UFSC, 1998.

PEREIRA, Adelaide Maria Gonçalves. A imprensa dos trabalhadores do Ceará de 1862 aos anos 1920. Tese (Doutorado em História). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2001.

PERROT, Michelle. Os Excluídos da História: Operários, Mulheres e Prisioneiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

PETERSEN, Sílvia Regina Ferraz. “Que a união operária seja a nossa Pátria!”: história das lutas dos operários gaúchos para construir suas organizações. Porto Alegre: UFRGS, 2001.

PETERSEN, Sílvia Regina Ferraz. Guia para o estudo da imprensa periódica dos trabalhadores do Rio Grande do Sul (1874-1940). Porto Alegre: UFRGS/FAPERGS, 1989.

PERTERSEN, Sílvia Regina Ferraz. Cruzando fronteiras: as pesquisas regionais e a história operária brasileira. Anos 90. Porto Alegre, n. 3, jun./1995.

PINHEIRO, Luís Balkar Sá Peixoto. Imigração, trabalho e imprensa em Manaus, 1890-1928. Revista Litteris, n. 4, set./2014.

PORTUGAL, Sílvia. Contributos para uma discussão do conceito de rede na teoria sociológica. Oficina do CES, n. 271, mar./2007.

RAMELLA, Franco. Por un uso fuerte del concepto de red en los estudios migratórios. In: BJERG, María & OTERO, Hernán. Inmigración y redes sociales en la Argentina moderna. Tandil: CEMLA –IEHS, 1995.

SANTOS, Eloína Monteiro dos. A Rebelião de 1924 em Manaus. 3º ed. Manaus: Editora Valer, 2001.

SERRA, Sônia. O Momento: história de um jornal militante. Dissertação de Mestrado. Salvador: FFCH/UFBA, 1987

SEVCENKO, Nicolau. Orfeu extático na metrópole: São Paulo, sociedade e cultura nos frementes anos 20. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

SIMMEL, Georg. Conflict e The Web of Group-Affiliations. New York: The Free Press, 1955.

SODRÉ, Nelson Werneck. História da Imprensa no Brasil. 4ª ed. Rio de Janeiro: Mauad, 1999.

SCHERER-WARREN, Ilse. Metodologia de redes no estudo das ações coletivas e movimentos sociais. Anais do Encontro Nacional da Anpur. Modernidade, exclusão e espacialidade do futuro. Brasília. Vol. 6, 1995.

TELES, Luciano Everton Costa. A vida operária em Manaus: imprensa e mundos do trabalho. Dissertação de Mestrado. Manaus: PPGH/UFAM, 2008.

VARGAS, Jonas Moreira. Entre a Paróquia e a Corte: uma análise da elite política no Rio Grande do Sul (1868-1889). Dissertação (Mestrado em História). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007.

VELLOSO, Mônica Pimenta. Modernismo no Rio de Janeiro: Turunas e Quixotes. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1996.

ZICMAN, Renée. História Através da Imprensa: algumas considerações metodológicas. Projeto História, nº 4. São Paulo: Educ, 1985.

WELLMAN, B., BERKOWITZ, S. D. (orgs.). Social Structures. A Network Approach. Cambridge: Cambridge University Prees, 1991.

OUTRAS FONTES

A IMPRENSA OPERÁRIA. A Lucta Social. Manaus, 27 de fevereiro de 1914 (Suplemento ao n. 1).

A’ORGANIZAÇÃO OPERARIA DO NORTE. A Lucta Social. Manaus, ano 1, n. 4, 1º de setembro de 1914.

APPELO AOS TRABALHADORES DE MANAÓS. A Lucta Social. Manaus, ano 1, n. 1, 29 de março de 1914.

CIDADÃO RIBEIRO JÚNIOR. A Lucta Social. Manaus, ano 1, n. 7, 10 de Agosto de 1924.

JORNAES. A Lucta Social. Manaus. Ano 1, n. 3, 1º de junho de 1914.

NO PARÁ. A Lucta Social. Manaus, ano 1, n. 3, 1º de junho de 1914.

SOCIALISTAS ALEMÃES E ITALIANOS. A Lucta Social. Manaus. Ano 1, n. 6, 1º de novembro de 1914.

VIDA SINDICAL. A Lucta Social. Manaus, ano 1, n. 4, 1º de setembro de 1914.

Publicado
2020-12-23
Como Citar
Teles, L. E. C. (2020). A pesquisa histórica: análise de redes sociais e imprensa operária. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 17(2), 431-452. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v17i17.960