O voo do Bacurau

cinema, necropolítica e [contra]violência

  • Aguinaldo Rodrigues Gomes Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS
  • Flávio Vilas-Bôas Trovão Universidade Federal de Rondonópolis - UFR
Palavras-chave: Bacurau, cinema, necropolítica, resistências, História

Resumo

O presente artigo é uma análise histórica e crítica do filme brasileiro Bacurau (2019), escrito e dirigido por Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, que articula uma visão cinematográfica da história do país, problematizando tanto os dilemas enfrentados atualmente quanto o passado de resistência de grupos historicamente marcados pela diferença a partir de costumes e tradições, no enfrentamento à necropolítica contemporânea. A crítica cinematográfica compreendeu Bacurau como um espaço de debate para temas sociais brasileiros, tais como as políticas locais coronelistas (representada pelo prefeito Toni Jr.) e práticas economicamente centradas em polos geográficos do poder (representada pelos personagens do sudeste) que, seguindo a lógica do capitalismo financeiro globalizado, produzem, a partir da precarização da vida das pessoas mais vulneráveis, uma espécie de safari humano dos sujeitos, promovendo uma banalização da vida do outro. Esse é compreendido, assim como no filme, como vítimas de uma política neocolonialista de morte em larga escala, mas que pode ser enfrentada a partir da tradição cultural dos sujeitos insurgentes do nordeste brasileiro, através de uma política das diferenças construídas a partir das margens como reposta às opressões, que ao menos, em suas representações fílmicas, inspiram a vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, Inácio. Bacurau é feito com raiva e troca sutileza pelo ataque direto. FOLHA DE S. PAULO, Caderno Ilustrada, São Paulo, agosto de 2019.

BALLERINI, F. Cinema brasileiro no século 21. Reflexões de cineastas, produtores, distribuidores, exibidores, artistas, críticos e legisladores sobre os rumos da cinematografia nacional. São Paulo: Summus, 2012.

BANDERA, Vinícius. A contraviolência como estética glauberiana. Montajes Revista de Análisis Cinematográfico, Número 005, jan.-jun. 2013.

BENJAMIN, Walter. Sobre arte, técnica, linguagem e política. Lisboa: Relógio d’Água, 1992.

BUI, Camille. Village Global. Cahiers du Cinema. [n. 758], Paris, setembro de 2019. Tradução de Celso Marconi. Disponível em: <https://vermelho.org.br/prosa-poesia-arte/leia-a-integra-da-critica-da-revista-cahiers-du-cinema-sobre-bacurau/>. Acesso em: agosto de 2020

CAMARA, A. S. Figurações, mitificações e modernização: visões do nordeste na cinematografia brasileira dos anos 1990. In: NOVOA, J., e BARROS, J. Cinema-História. teoria e representações sociais no cinema. Rio de Janeiro: Apicuri, 2012.

CARTA CAPITAL. Bacurau é um filme de resistência defendem os diretores Kleber Mendonça e Juliano Dornelles. Youtube. 24 de agosto de 2019. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=P8b_XONFjE8>. Acesso em agosto de 2020:

DARGIS, Mahnola. ‘Bacurau’ review: life and death in a small brazilian town. The New York Times. Nova York, 05 de março de 2020.

DESBOIS, Laurent. A odisseia do cinema brasileiro. Da Atlântida a Cidade de Deus. São Paulo: Companhia das Letras, 2016. p. 191.

DÍDIMO, Marcelo. O cangaço no cinema brasileiro. São Paulo: Annablume, 2010.

FAUSTINO, D. M. Frantz Fanon: capitalismo, racismo e a sociogênese do colonialismo. SER Social, v. 20, n. 42, p. 148-163, 15 jun. 2018

GREGÓRIO, Paulo H. S. O trágico em A hora e a vez de Augusto Matraga: uma leitura nietzschiana. Pandaemonium germanicum, n. 16, 2010/2, p. 186.

HANCIAU, Nubia. O entre lugar. In: Figueiredo, Eurídice (Org.). Conceitos de literatura e cultura. Juiz de Fora/Niterói: Ed. UFJF/EdUFF, 2005.

HOOKS, Bell. Teoria feminista: da margem ao centro. São Paulo: Editora Perspectiva, 2020.

JAFA, Van. 3 visões do Coronel de Macambira. Correio da Manhã. Rio de Janeiro, 15 de junho de 1967: Disponível em:

<http://memoria.bn.br/DocReader/Hotpage/HotpageBN.aspx?bib=089842_07&pagfis=83087&url=http://memoria.bn.br/docreader#>. Acesso em: ago. 2020.

LAGNY, Michèle. O cinema como fonte de história. em: NOVOA, J., FRESSATO, S., FEIGELSON, K. (Orgs.). Cinematógrafo: um olhar sobre a história. Salvador: EDUFBA; São Paulo: Ed. da UNESP, 2009, p. 123-124.

MATTOS, A. Publique-se a lenda: a história do western. Rio de Janeiro: Rocco, 2004.

NAPOLITANO, Marcos. 1964: história do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014.

NEVES, Anderson. Fênix: Revista de História e Estudos Culturais. ano IX, vol. 9, n. 02, mai-ago. 2012.

NOSSO QUINTAL (online). Marília, 16 de setembro de 2019. Disponível em: <https://nonossoquintal.com.br/redacao/noticias/cancao-de-mariliense-esta-no-filme-bacurau-vencedor-de-cannes>. Acesso em ago. 2020:

NUNES, Rodrigo. ‘Bacurau’ não é sobre o presente, mas o futuro. El País, 06 out. 2019.

RAMOS, Alcides. O canibalismo dos fracos. Bauru: Edusc, 2002.

SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. 2. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SCHENKER, Daniel. Crítica: Bacurau. O Globo, Rio de Janeiro, 27 ago. 2019.

SILVA, Robson Pereira da. Ney Matogrosso...para além do bustiê: performances da contraviolência na obra Bandido (1976-1977). Curitiba: Appris, 2020.

SILVA, Robson. “Vai malandra...seu corpo é instrumento [contra] violento”: Figurações da marginalidade no filme “A Rainha Diaba” (1973). In: NETO, Miguel Rodrigues de Sousa; GOMES, Aguinaldo. História e teoria queer. Salvador: Devires, 2018.

SILVA, T. C. Ironias sertanejas: sobre os vazios e arbítrios de Bacurau. em: Cadernos de Gênero e Diversidade. v. 05, n. 03, 2019. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.9771/cgd.v5i3.33844>. Acesso em: ago. 2020.

SPYER, Tereza. Distopias à brasileira: ‘Bacurau’ e ‘Divino Amor’. Revista Epistemologias do Sul, v. 3, n. 1, p. 92-109, 2019.

VANDRÉ, Geraldo. Réquiem para Matraga. Letras (online). Disponível em: <https://www.letras.mus.br/geraldo-vandre/1013919/>. Acesso em: ago. de 2020.

XAVIER, Ismail. Da violência justiceira à violência ressentida. Ilha do Desterro. Florianópolis, v. 09, n. 51, 2006.

Publicado
2020-12-23
Como Citar
Rodrigues Gomes, A. ., & Vilas-Bôas Trovão, F. . (2020). O voo do Bacurau: cinema, necropolítica e [contra]violência. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 17(2), 231 - 261. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v17i17.951